Edição inaugural do Cabo Verde Triangle Trail concluída com sucesso

Autor: Redação    Data: 3-11-2019
Publicado em: Eventos, Notícias

Está concluída com sucesso a primeira edição do Cabo Verde Triangle Trail (CVTT). O evento decorreu de 25 a 30 de Outubro, nas três ilhas distintas, sempre em parques naturais (o da Serra Malagueta – Santiago, o da Serra da ilha do Fogo e o Parque Natural da Ribeira Grande – Santo Antão), com provas competitivas de 17 e 33 km por etapa. O evento incluiu também 3 caminhadas de 10 km.

O evento desportivo e turístico, apoiado pelo Governo, visa atrair turistas nacionais e internacionais amantes desta modalidade, qualificar caminhos, trilhos e rotas e contribuir para a capacitação dos agentes, através do seu envolvimento na organização das etapas e de acções de formação, sendo objectivos do evento estimular o desenvolvimento das economias locais e regionais no sector do turismo em Cabo Verde.

O arquipélago possui excelentes condições naturais para a prática desta modalidade.  A orografia das ilhas permite a realização de provas com percursos técnicos em zonas montanhosas com grandes declives, desafiando os participantes a superarem os seus limites.

Cabo Verde já tem vários atletas com experiência em provas nacionais e internacionais, entre os quais se incluem nomes como Danilson Pereira, Joaquim Fortes, Kueny Miranda, Eliseu Fortes, Wilson Cabral, Jadirson Ribeiro, Edna Lima e Crisolita Rodrigues,  assegurando uma forte competitividade nacional.

O CVTT foi o evento mais desafiante de deporto, turismo e aventura a ter lugar em Cabo Verde. Foram ao todo 750 participantes de oito nacionalidades a disputar as três etapas do evento. O atleta nacional Nelson Gil Fortes (masculino) e a portuguesa Carla André (feminino) venceram a modalidade Extreme (33 km). Já na modalidade Trail Curto (17 km), Luciano Gonçalves de Cabo Verde (masculino) e Isabelle Traeger de França (feminino) foram os grandes vencedores.
1ª etapa (Santiago)

A primeira etapa arrancou no dia 25 de outubro, sexta-feira, com partida de Hortelão e chegada à Calheta de São Miguel, num percurso que cruzou o Parque Natural da Serra da Malagueta.

As actividades começaram na véspera, dia 24 de outubro, com a realização do seminário “Desporto, Ambiente, Turismo e Desenvolvimento”.  De seguida, o Centro Histórico e Cultural do Porto de Calheta foi palco para as crianças abrirem oficialmente a prova. Foram dezenas de participantes que lançaram assim o mote para a grande aventura do si aseguinte.

220 participantes, nacionais e estrangeiros, percorreram os trilhos de 33 e 17 quilómetros e também a caminhada.

17 km
Pódio feminino
1° Edna Lima
2° Ana Furtado
3° Maria Natércia

Pódio masculino
1° Wilson Cabral
2° Jerson da Moura Monteiro
3° Paulino Semedo

33 km
Pódio feminino
1° Carla André
2° Inês Monteiro
3° Sandra Vasconcelos

Pódio masculino
1° Eliseu Fortes
2° Flávio Andrade
3° Ariano dos Santos
2ª etapa (Fogo)

A segunda etapa foi no domingo, 27 de outubro, no Parque Natural do Fogo, em plena cratera do vulcão. O vulcão do Fogo que dá nome à  ilha possui 2.829 metros, sendo o ponto mais alto de Cabo Verde, e permanece activo, com uma caldeira de 8 km de diâmetro e abertura para Este. Um cenário único que juntou 256 corredores e caminhantes numa prova de dificuldade elevada e extremamente desafiante.

17 km 
Pódio feminino
1° Dati Miranda
2° Isabelle Traeger

Pódio masculino
1° Jadirson Ribeiro
2° Ricardo Gomes de Andrade
3° Emanuel Centeio

33 km 
Pódio feminino
1° Inês Monteiro
2° Carla André

Pódio masculino
1° Kueny Miranda
2° Djulay de Pina
3° Maurício Montrond

3ª etapa (Santo Antão)

A última etapa chegou dia 30 outubro, quarta-feira, a Santo Antão, reunindo novamente perto de 250 pessoas. Esta “ilha das montanhas” está a despertar cada vez mais interesse, em parte pelo trabalho que está a ser feito em Santo Antão, desde 2017, a nível de turismo sustentável e inclusivo, no quadro do projecto Raízes, co-financiado pela União Europeia e cooperação portuguesa.

As movimentações começaram na véspera, dia 29 de outubro, a partir das 14 horas, com a entrega de kits a participantes e actividades lúdicas e desportivas para a população local.

A prova terminou em clima de festa, com a consagração dos atletas da geral do Triangle Trail, mais os da etapa. Eliseu Fortes voltou – à semelhança da 1ª etapa – a vencer, seguido de Flávio Rosário, ambos atletas de Santo Antão. Kueny Miranda, do Fogo, fechou o pódio dos 33 km. Nas senhoras, Inês Monteiro chegou em primeiro, mas não poupou o tempo necessário para vencer na geral a também portuguesa Carla André. Tantos os 17 km masculinos como femininos tiveram pódios totalmente cabo-verdianos. Realce para o terceiro lugar feminino, que foi mais uma vez partilhado por duas atletas.

17 km 
Pódio feminino
1° Ana Furtado
2° Crisolita Rodrigues
3º Manuela Aleixo
3º Antonita Gomes

Pódio masculino
1° João Fortes
2° Elvis Lopes
3° Domingos Delgado

33 km 
Pódio feminino
1° Inês Monteiro
2° Carla André

Pódio masculino
1° Eliseu Fortes
2° Flávio Rosário
3° Kueny Miranda

Classificação geral

Após a terceira e derradeira etapa foram apurados os vencedores do circuito triangular. Vários atletas locais não disputaram as três etapas,  o que não obstante os brilhantes desempenhos naquelas em que competiram, não os integrou na classificação geral.

17 km 
Pódio feminino
1°  Isabelle Traeger (França)

Pódio masculino
1° Luciano Gonçalves (Cabo Verde)
2° Miguel Henriques (Portugal)

33 km 
Pódio feminino
1° Carla André (Portugal)
2° Inês Monteiro (Portugal)

Pódio masculino
1° Néson Gil Fortes (Cabo Verde)
2° Manuel Madruga (Portugal)
Balanço positivo e regresso em 2020

Para além de não haver qualquer acidente a registar, vale ainda a pena salientar o clima de convívio e boa disposição que rodeia esta prova que é, antes de mais, um momento único de promoção e conhecimento de algumas das mais incríveis maravilhas naturais de Cabo Verde.

É também uma oportunidade de colocar o país na rota dos desportos de montanha, nomeadamente o trail, ultra trail e trekking, abrindo caminho para o desenvolvimento de uma oferta turística diferenciada assente no desporto de aventura e natureza.

Recordamos que o evento contou com mais de 750 participantes, repartidos pelas 3 ilhas. Cabo Verde, Portugal, Angola, Guiné-Bissau, Luxemburgo, Holanda, França e Espanha foram as principais nacionalidades representadas.

O CVTT envolveu 6 municípios e mais de 90 voluntários que receberam formação específica para o evento. Polícia Nacional, Protecção Civil, Ministério da Saúde, Ministério da Defesa, Ministério da Administração Interna, Ministério do Desporto, Cruz Vermelha, Bombeiros, Parques Nacionais, Associações, Clubes, Direcção Geral do Desporto e Direcção Geral do Ambiente foram as entidades envolvidas.

O CVTT traz ao país uma oportunidade para o avanço no desporto e no turismo ligado à prática da actividade física e de aventura, contribuindo em simultâneo para a formação e crescimento de vários clubes e outras organizações associativas que se aproximam do projecto de forma voluntária. A capacitação local – tanto das comunidades como das instituições – e o desenvolvimento de mais e melhores processos de comunicação e trabalho são assim a base de um ainda mais ambicioso CVTT no futuro.

O evento estará de volta em 2020, com uma aposta reforçada nas acções de capacitação e transferência de conhecimento, na promoção internacional e com diversas novidades no programa, nomeadamente, a inclusão permanente da kids run nos programas das etapas, com novos horários de partida nas provas de 33 e 17 km, com uma melhor oferta em termos de packs de inscrição e com a inclusão de uma ultra maratona em Santo Antão (UMSA).

Fotos: DR