154 atletas “embarcaram” na I Corrida do Caminho de Ferro do Monte

Autor: Redação    Data: 30-07-2017
Publicado em: Race Report

Um caminho de ferro na Madeira? Sim, a ilha já teve uma ferrovia de via única que ligava o Pombal, no Funchal, ao Terreiro da Luta, no Monte, numa extensão 3.911 metros. Hoje, o percurso do Caminho de Ferro do Monte (também conhecido como Comboio do Monte ou Elevador do Monte) foi palco de uma corrida organizada pela Associação de Atletismo da Região Autónoma da Madeira (AARAM).

Quem conhece o percurso, sabe que até os motores dos carros reclamam da inclinação. A pensar na diferença de “vapor” das várias “locomotivas”, a AARAM criou 3 percursos:

– 1º percurso – 1.000m – Rua do Pombal / Levada de Santa Luzia;
– 2º percurso – 2.500m – Rua do Pombal / Monte;
– 3º percurso – 3.911m – Rua do Pombal / Terreiro da Luta.

E qual a relação deste evento de estrada com o trail-running? A explicação é muito simples, muitos dos participantes (incluindo alguns vencedores) são adeptos das corridas de montanha e dos quilómetros verticais.

Na prova principal, Vítor Rodrigues (Casa do Povo da Camacha) garantiu o primeiro lugar do pódio, percorrendo os 3.911 metros em 34m21s. Com mais 1m15s, Élton Martins (CAFH) arrecadou a segunda posição, seguido, a 14 segundos, por Carlos Fernandes (CCDCM Funchal).

No sector feminino, Cristina Nascimento (ACD Jardim da Serra) fez jus ao seu currículo “vertical”, sendo vencedora inquestionável com o tempo de 37m24s, que lhe garantiu também o 7º lugar da classificação à geral.  Os outros lugares do pódio foram conquistados por duas atletas do  CCDT Horários do Funchal,  Manuela Morgado com 44m01s e Felicidade Soares com 45m58s.

Na prova intermédia (2.500 metros),  Albino Barbosa (Sporting CM) venceu com o tempo de 24m15s. Raul Mendes (RC Travel)  e Orlando Ascensão (CCDT Horários do Funchal) completaram o pódio, com os tempos de 24m33s e 25m21s, respectivamente.

Nas senhoras, Cecília Andrade (30m20s) e Sandra Gonçalves (30m22s), ambas do CAFH, foram primeira e segunda classificadas. Maria Silva (CCDT Horários do Funchal) foi terceira com a marca de 32m29s.

Na prova curta (1.000 metros), Francisco Henriques (ACD Jardim da Serra) venceu com o registo de 4m35s. Duarte Costa (CCDT Horários do Funchal) e Bruno Abreu (CD Infante) foram segundo e terceiro, com os tempos de 4m48s e 5m07s, respectivamente.

Carla Caires (CCDCM Funchal) concluiu os 1.000 metros com a marca de 6m32s, conquistando o lugar mais alto do pódio à frente de Rita Barbosa (Sporting CM) e Rute Camacho (CD Infante), com os registos de 7m10s e 7m15s, respectivamente.

Todos os resultados em : http://atletismodamadeira.pt/2017/07/26/caminho-comboio-ferro/

O comboio do Monte

Os estudos para o Comboio do Monte foram feitos em 1886, pelo engenheiro Raúl Masnier Ponsard, responsável, entre outros, pelo elevador de Santa Justa, em Lisboa.  A linha férrea foi a principal responsável pelo desenvolvimento da freguesia do Monte, que viria a tornar-se a mais conhecida estância turística da ilha.

Em termos históricos, segundo o site da CMF, o primeiro troço, entre o Pombal e a Levada de Santa Luzia, foi inaugurado a 16 Julho de 1893. Com uma paragem à porta do Monte Palace Hotel, o comboio continuava até ao apeadeiro do Largo da Fonte, que era o fim da linha. Posteriormente, a linha-férrea expandiu-se até ao Terreiro da Luta.

Devido a dificuldades financeiras da companhia proprietária, este transporte foi encerrado em Abril de 1943.

A reconstrução do Caminho de Ferro do Monte já foi objecto de estudos e de um concurso internacional, mas as dificuldades financeiras inviabilizaram a iniciativa. Recentemente, a Câmara Municipal do Funchal adquiriu e vai recuperar a antiga estação do comboio no Monte, para tornar o edifício num espaço de “evocação de memória histórica”.

Para o edil funchalense,  Paulo Cafôfo, “o Monte é sempre visto como a Sintra madeirense”. Com uma beleza natural invejável e uma carga histórica, cujo maior peso advém do imperador Carlos da Áustria, que ali viveu e morreu, o Monte é um requintado cartão de visita do Funchal.

Foto: Aníbal Rodrigues