Transgrancanaria com sotaque português

Autor: Redação    Data: 28-02-2021
Publicado na categoria: Eventos, Geral

A organização encerrou esta 22ª edição com a satisfação de que tudo correu conforme o planeado e sonha já com o regresso à normalidade.  A nível competitivo, Aurelien Dunand-Pallaz e Azara García rubricaram as vitórias na modalidade Classic. Mas a história desta ainda atípica edição do evento foi escrita também por quatro portugueses: Inês Marques, André Rodrigues, Mariana Machado e Dário Moitoso.

Mais um ano, e já com vinte e duas edições, a Transgrancanaria HG conseguiu, num contexto tão complexo como o que vivemos hoje, reunir mais de 1.700 atletas, de 45 países diferentes. As restrições nas viagens levaram a muitas ausências, onde se incluem portugueses, que habitualmente marcam presença no evento.

A Transgrancanaria HG marcou o arranque do circuito internacional Spartan Trail World Championship, onde estavam incluídas as provas Classic e Maratón. A próxima etapa disputar-se-á na Argentina, a Patagonia Run, nos dias 9 e 10 de abril.

Pela primeira vez na história da Transgrancanaria HG, atletas quenianos desembarcaram na ilha para competir na maratona do evento e competirem com vários dos melhores especialistas em trail running do panorama internacional. O projecto solidário Sky Runners Kenya, criado e desenhado em Espanha para gerar novas oportunidades profissionais para os atletas do país africano,  permitiu a participação de quatro jovens quenianos na Transgrancanaria. Sarah Jerop, Monica Cheruto, Hilary Chirchir e Ben Kimati Cematot foram os quatro escolhidos para a estreia na Gran Canaria.

CLASSIC: Aurelien Dunand-Pallaz e Azara Garcia vencem. Inês Marques conquista terceiro lugar do pódio feminino.

Na prova principal do evento, caracterizada por um exigente percurso de 129 quilómetros e 6.720 metros de desnível positivo, o grande vencedor foi o francês Aurelien Dunand-Pallaz, com 13h42m43.  O espanhol Pere Aurell Bove, com 1403m36, e o grego Fotios Zisimopoulos, com 14h19m06 completaram o pódio.

Na disputa feminina, a espanhola Azara Garcia, com 16h35m11, foi a primeira mulher a cruzar a linha da meta. Seguiram-se a também espanhola Claudia Tremps, com 16h57m21 e a nossa Inês Marques, com 17h23m48. A atleta da Salomon Suunto Caravela voltou a brilhar numa prova internacional, tendo alcançado a 24ª. posição da classificação geral.

MARATÓN: Andreu Simón e Virgina Pérez  nos lugares mais altos do pódio. André Rodrigues e Dário Moitoso conquistam 8º e 17º lugares, respectivamente.

Na distância maratona (com 870 metros de desnível positivo) a competição foi renhida. Numa prova muito rápida, o espanhol Simón Andreu venceu, com a marca de 02h41m27. Ben Cematot, um dos 4 atletas do Quénia, garantiu o segundo lugar, com o tempo de 02h43m24. O finlandês Marten Boström (02h44m09) completou o pódio.

André Rodrigues, atleta da Trail Team Bifase, na sua estreia com as cores da marca italiana Scarpa, conquistou o oitavo lugar da classificação geral, com o registo de 2h47m55. O bicampeão nacional de trail, Dário Moitoso, cortou a meta na 17ª posição, após 2h57m31 de prova.ADVANCED: David Prades e Maryline Nakache vencem. Mariana Machado garante quarto lugar feminino.

David Prades foi o vencedor da Transgrancanaria Advanced, prova de 65 quilómetros e 2.566  metros de desnível de positivo, com um tempo de chegada de 05h47m12 horas. Rodrigo Monasor e Alberto Peláez conquistaram o segundo e o terceiro lugares por apenas um segundo de distância, a favor do primeiro dos dois. Este foi um pódio inteiramente espanhol.

A francesa Maryline Nakache, uma das favoritas nas mulheres, repetiu o triunfo de 2020, desta vez com a marca de 06h32m34.  A eslovena Martin Potrc (06h40n54) foi o segunda e a belga Dominique van Mechgelen (06h47m43), a terceira.

A portuguesa Mariana Machado cortou a meta no quarto lugar, com o tempo de 7h03m56.

Todas as classificações em: transgrancanaria.livetrail.net.

Foto: @ivanmolna for @racephotos; @wiccamari for @racephotos

 

X